Arquivo

Archive for the ‘Sobre muitas coisas…’ Category

BAMBU CHINÊS: É preciso entender que certas coisas levam tempo!

20/ junho / 2021 Deixe um comentário

Você conhece a história do Bambu Chinês? É uma preciosa lição que nos faz entender: Certas coisas levam tempo.

A semente do bambu chinês, depois de plantada, demora aproximadamente cinco anos para ser percebida. Isso mesmo! Depois de plantada a semente do bambu chinês, não se vê nada por aproximadamente 5 anos – exceto um diminuto broto.

Todo o crescimento é subterrâneo; uma complexa estrutura de raiz, que se estende vertical e horizontalmente pela terra, está sendo construída. Então, ao final do 5º ano, o bambu chinês cresce até atingir a altura de 25 metros.

Na nossa vida, muitas questões pessoais e projetos profissionais, sonhos acadêmicos e aprovações guardam semelhança ao bambu chinês. Investimos tempo, esforço, dinheiro, energia, fazemos tudo o que podemos para alcançar resultado e, às vezes, não se vê nada por semanas, meses ou anos.

Porém, se tivermos paciência para continuar estudando, se submeter a ser escravo dos livros, persistir em uma jornada de poucos amigos, o quinto ano chegará; com ele virão mudanças, recompensas que sequer conseguimos imaginar.

Na minha trajetória de estudos e concursos, lembro que logo no início fui tentado aos cursos “retas finais”, às revisões intensivas e livros bem resumidos que criavam em mim a ilusão que eu teria um atalho para a aprovação desejada. Um tempo depois, percebi que essas preparações eram interessantes, importantes, mas não eram para mim. Minha realidade precisava de uma preparação extensiva, homeopática, tranquila. Eu passei a compreender que a “pressa pela aprovação” só ia gerar frustrações. Quem tem um Exame da OAB, um sonho de aprovação em concurso público precisa ter claro em mente que o estudo não é uma mágica.

O processo de aprendizagem precisa ser entendido como algo sério (dedicação, capricho e tempo).

Construir exige sacrifício, esforço. Fernando Pessoa, “Quem quer ser rei sem esforço, será servo eternamente”.

Quando perguntam como foi minha preparação para concursos, eu repondo: Eu estudava muito. Compreendi que o imediatismo produz frustrações, abala a autoestima e gera prejuízo ao bolso. As reprovações são golpes traumáticos e viver a estudar de forma a revisar o tempo todo gera um ciclo vicioso, sem consistência e profundidade, sem ganhos.

Daí, reconheci minhas debilidades, disciplinas com dificuldade e passei a fazer preparações extensivas. Isso mudou até mesmo minha esperança, pois eu comparava o mesmo assunto com a forma anterior que eu tinha estudado e já conseguia perceber que agora a qualidade no estudo geraria um novo resultado. Isso fazia renascer a esperança e tudo ficava mais leve até mesmo na preparação. A base sólida construída na nova maneira de estudar me deu todo o suporte para o êxito nos novos desafios.

É preciso entender que certas coisas exigem decisão, desejo, ousadia, para chegar às alturas (realização do sonho, aprovação) e, ao mesmo tempo, muita profundidade (esforço, disciplina, sacrifício e paciência) para nos mantermos firmes em nossa realidade, com os pés no chão.

Os outros podem até pensar que nada está acontecendo, mas sua preparação está se formando, longe dos olhares de todos e você chegará ao ideal planejado. Crescer é um processo, demanda tempo e paciência.

Não se preocupe tanto com o tamanho do seu “broto” e nem com o tempo que ele pode demorar para se desenvolver. Permita-se vivenciar a beleza do caminho e da jornada com alegria, com a certeza que o seu processo de crescimento está acontecendo. Quem entende que certas coisas levam tempo, não desiste de lançar com diligência e dedicação as sementes continuamente, pois sabe que o esfoço será bem recompensado. Persistamos!

A dor do outro

29/ novembro / 2020 Deixe um comentário

Ainda que nos coloquemos no lugar do outro, jamais teremos a dor do próximo.

É isso. Quem não padece as dores não as pode avaliar. Em uma realidade que as felicidades e sofrimentos individuais estão expostos, somos tentados a julgar e até mesmo acreditamos que os insucessos do outro – a reprovação de um curso, o desemprego, o fim do amor, a morte de um ente querido – foram demasiadamente valorizada por ele.

A dor tem seu preço, a dor tem seu valor, a dor tem sua própria sensação e sofrimento. Porém, não esqueçamos do óbvio: As dores emoções a amores nunca serão iguais, ainda que tenhamos passado por situações semelhantes. Afinal, semelhante é semelhante, semelhante é parecido, mas semelhante não é igual, semelhante é diferente.

Acreditar que sabemos a exata dor da ferida é falta de humildade. E empatia sem humildade, é arrogância apenas travestida de solidariedade.

Cada um de nós temos uma reação ao sofrimento. Nos enganamos que sofrimento e alegrias são emoções equiparadas. As palavras dolorosas, as derrotas, as reprovações, rejeições e perdas são emoções negativas que precisam de muitas emoções positivas para que a mente e alma encontrem o equilíbrio. Para muitos, a dor de ouvir uma palavra negativa não é “curada” por um pedido de desculpas imediato, um elogio. Às vezes, o equilíbrio só é alcançado com 3, 5, 10 palavras e momentos positivos que somados ao tempo, curem o coração.

O exercício da empatia consiste em buscar respeitar, compreender a dor do outro, sem a arrogância de acreditar que sabe o sentimento do outro. Logo, a dor do outro é a dor do outro.

Respeitar a dor do outro é se compadecer, se colocar no lugar dele, lamentar, mas sem julgar, pois ainda que nossa perda seja semelhante, ela não é a dor real do outro, até porque “cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”.

Decerto, a empatia exige solidariedade, mas também humildade para compreender e respeitar as lagrimas e risadas alheias, sem arrogância que de pensar que temos os exatos temos e alcance do que é felicidade e dor emocional do outro, como ninguém tem a exata noção da sujeira sentimental que há nossos corações diante das poeiras emocionais das estradas na jornada da vida.

Se os outros são os outros e ninguém sabe a exata noção da vida que temos, nós também jamais teremos a real emoção do outro, pois cada um de nós somos únicos nas nossas lágrimas, emoções, sofrimentos, dores, alegrias e risadas.

Talvez, assim, o equilíbrio produz empatia e solidariedade.

A visão da igualdade

22/ novembro / 2020 Deixe um comentário

Ainda precisamos falar sobre a visão da igualdade.

Muito além de um princípio jurídico, a visão da igualdade está na vida e precisa estar em um mundo em que há necessidade de hierarquizar, de falar do outro.

Sim, falar do outro, às vezes, é até necessário. O problema é falar, condenar o outro, quando totalmente desnecessário.

Quando esquecemos a igualdade, a crítica passa a ser sustentada pela inveja, falamos simplesmente porque o outro faz o que me falta coragem ou me falta habilidade para fazer com tanta qualidade ou expressão.

Tenhamos em mente: Se buscarmos defeito no outro, certamente encontraremos. Porém, atente, se outro procurar defeitos em mim, também encontrará.

Sem ingenuidade, quando nos falta a visão da igualdade, nossos vícios viram virtudes e a virtudes do outro são considerados vícios por nós.

Assim, os preconceitos, racismos e discriminações decorrem da falta de compreensão da visão de igualdade do outro, que tanto queremos que sejam vistas dos outros para comigo.

A tentação do outro (que é também minha) é ser superior, discriminar, esquecer a igualdade.

Por isso, prudência e humildade sempre serão bem-vindas em qualquer mesa, em qualquer mesa, em qualquer situação é lugar.

Só assim, com ele prudência e humildade, venceremos os preconceitos e alcançaremos a visão da igualdade.

Eu não tenho dúvidas

20/ junho / 2020 Deixe um comentário

Eu não tenho dúvidas! Estou absolutamente convicto! Tenho certeza!

Essas frases revelam segurança? Otimismo? Conhecimento?

O ser humano gosta de ser peremptório em suas assertivas, sobretudo nas redes sociais, espaço em que que as publicações constantes nos estimula a opinar sobre tudo e de maneira rápida. Deixar de falar/responde sobre algo revela “derrota”. Todavia, um alerta: A certeza é inimiga do crescimento. Acreditar que sabemos de tudo é arrogância e nos rouba a oportunidade de agregar valores.

Então, precisamos encontrar o significado correto da dúvida. A incerteza, para muitos, é sinal de insegurança. Porém, se ela for utilizada de maneira eficiente, abre a possiblidade de novas visões sobre a vida.

O cérebro tende a fortalecer os nossos valores, nossas tendências, ele busca interpretar tudo o que lemos, a partir das nossas ideias e posições, nossas crenças e desconfianças.

Por isso, é importante inverter o jogo: Partir da premissa que estamos errados, que não dominamos o assunto, que somos ignorantes em determinados temas, abre a oportunidade de aprender.

Questionar nossos valores e opinões não é nada fácil. Conviver com oposto, mudar de opinião são hábitos e decisões difíceis, trabalhosos, porém necessários para o amadurecimento.

O debate, a discussão não objetivam demonstrar quem estar certo, mas apresentar a nossa opinião e ouvir a posição contrária. Sim, ouvir mais que falar, para colocarmos a prova o que pensamos. Isso fortalece o que pensamos ou nos ajuda a rever posicionamentos. Não há problema nenhum em sermos ignorantes se usarmos isso para aprender coisas novas.

Muitas pessoas recusam a ignorância porque isso pode sinalizar fraqueza. Outras admitem a ignorância para se sentirem confortáveis em não saber, pois isso tira responsabilidades de decisões difíceis (“prefiro não saber”). O mundo aprenderia mais se as pessoas admitissem serem ignorantes naquilo que não sabem, naquilo que não estudaram de forma suficiente.

Se queremos aprender determinado assunto, disciplina, área de conhecimento, precisamos partir da humildade em reconhecer que não sabemos. Precisamos estar abertos a mudar nossas convicções, admitir que podemos estar errados em nossas ideias.

A ignorância possibilita mudança real, crescimento e amadurecimento. A ignorância é a oportunidade de aprender

A OPINIÃO & O ARGUMENTO

A crença não pode ser confundida com argumento. A crença nos autoriza a afirmar que “sabemos” aquilo que não sabemos. Isso isso é confortável.

A crença é aquilo que alguém escolheu acreditar, a partir das experiências. O argumento, por sua vez, é fruto do conhecimento.

Acesso à informação não é conhecimento. O Google não substitui a necessidade da investigação, da pesquisa, da confirmação científica.

Informação é rápida, certeira, peremptória.
Conhecimento é lento, duvidoso, precisa ser confirmado, pode ser revisto.

Opinião não precisa ser explicada.
Argumento não existe sem justificativa.

Porém, em tempos de redes sociais e acesso à internet instalemos na palma da mão, fica fácil e confortável “saber de tudo”, confundir opinião com argumento.

Isso é muito bom, analgesia a ignorância e nos conforta, especialmente se o debate está limitado entre aqueles que também não sabem e sempre concordam comigo, sempre pensam igual a mim.

O que faz alguém ser EXCEPCIONAL?

Nem todos somos excepcionais.

As pessoas são excepcionais não pelo que sonham ou pelo que acreditam.

O mundo está cheio de pessoas sonhadoras e isso é positivo. No entanto, se apenas ficarmos na idealização, sem empreender qualquer esforço continuo para a realização, ficaremos enraizados em um mundo, uma bolha artificial.
Alguém é excepcional pelo esforço e renúncia que constantemente, dia após dia produz.

E se fracassa? Há lição, há aprendizagem. Aquele que é idealista, mas não consegue aprender na derrota, não chega ao sucesso. Assim, o sonho idealizado não passa de um mundo artificial criado pra fugir da realidade. Sim, o sofrimento faz parte da vida e ele nos ensina muito. Aí nasce a vitória.

Ver a derrota com uma ameaça e vitórias apenas como reafirmação sem tirar lições é sinal de arrogância. A busca das pessoas excepcionais é sempre uma nova aprendizagem, um aperfeiçoamento e disposição em maior sacrifício.

Acreditar ser excepcional e que merece ter sucesso quando não há esforço e sacrifício, não é autoestima, mas soberba e arrogância. Uma grande ilusão.

Afirmar a alguém que é excepcional “para elevar sua autoestima” pode trazer um efeito reverso, de tal maneira que a pessoa acredita ser excepcional, quando não passa de um medíocre. Dai, elogios sem um bom motivo apenas estimulam que as pessoas sejam mais artificiais, que se enganem, mais “do mesmo” e não mudem sua história de vida.

O valor de alguém não está nos seus predicativos, em não ver o fracasso como ameaça, e a vitória como simples reafirmação, mas como se comporta diante dos seus defeitos, na aprendizagem diante das vitórias e fracassos, mas acima de tudo no sacrifício e renúncia desenvolvidos diariamente.

Isso faz alguém ser EXCEPCIONAL.

Deixe para Depois

Um sonho exige prioridades. Para que o objetivo seja realizado, metas são elaboradas. Sim! A vida é feita de prioridades.

Porém, para que o sonho vire realidade, POSTERIDADES também precisam ser estabelecidas.

Eu sei que fica “estranho” falar em “deixar para depois”, se eu, dias atrás, falei sobre a importância de ter metas e fazer algo diariamente pelo seu sonho. Porém, acredite: Seu sonho precisa que você deixe para depois algumas coisas!

Estou falando da “procrastinação positiva”, uma técnica, uma habilidade de compreender que algumas coisas não podem ser feitas, sob o risco de comprometer a realização do sonho.

Muitos não conseguem realizar porque, embora criem prioridades, falham em deixar para depois coisas que são pouco agregadoras ao objetivo.

A vida é feita de escolhas. Escolhas são acompanhadas de renúncia. Podemos até estabelecer prioridades, mas precisamos que algumas coisas sejam postergadas, pois, se forem feitas agora, roubarão energia, tempo e dinheiro do nosso objetivo.

SE LIGA! Posterioridade devem ser estabelecidas antes das prioridades.

As Pessoas produtivas não são aquelas que fazem tudo, mas aquelas que descobriram a quantidade e o momento adequado de casa coisa na agenda e sabem intencionalmente deixar pra depois aquilo que agrega pouco ao seu objetivo. Elas entenderam o significado da posteridade. Que tal escrever tudo aquilo que, se feito agora, vai atrapalhar o rumo do teu sonho?

Particularmente, eu penso que antes de programar uma rotina de estudos, é indispensável que a organização das tarefas da vida, mas as tarefas INADIÁVEIS. Nós sempre iremos ter um dia “cheio”. Entretanto, muitas coisas devem ser deixadas para depois (posteridades).

Daí, sim, haverá tempo e disposição para cumprir a agenda de estudos com qualidade (prioridade) Essa técnica vai repercutir em maior produtividade: Fazer cada coisa no seu tempo.

Vc não vai deixar de fazer nada legal, não vai perder nada. Apenas vai “deixar para depois” e poderá curtir com o objetivo já cumprido, o sonho realizado. Isso será fantástico!

Vão olhar para você e dirao: “esse aí tá curtindo porque tá com a vida ganha” e você vai pensar: “estou porque deixei para depois alguma coisa para ganhar mais 🤭”. Vc não será impedido de fazer nada legal, apenas deixará para depois.

Novos resultados exigem novas ações (novos hábitos). Novos hábitos só surgem quando os velhos hábitos são deixados para depois. Isso exige uma nova mentalidade.

O novo pensar envolve antes do que deve ser feito com prioridade, as posteridades, aquilo que é preciso “deixar para depois”

LUTA POR JUSTIÇA: Aspas, Pitacos & Reflexões.

Vivemos tempos em que o medo, a raiva, a indignação, a distância e as “informações” imediatas das redes sócias facilitam as condenações. Manipulados por processo de narrativas, criamos uma “própria justiça”.

Sim! As opiniões e os direitos constitucionais, muitas vezes são superados para que seja feita “Justiça”.

Fazer a coisa certa nem sempre é justiça. Por sua vez, para fazer justiça nem sempre é necessário fazer a coisa certa. Estranho? Estranho,

Ao assistir o filme a Luta Por Justiça (2019), resolvi copiar algumas frases, as quais misturei com os meus pitacos e reflexões. Daí, compartilho em seguida:

 

ASPAS

“Nem todos estão lá por um bom motivo. Existem pessoas presas injustamente”.

“Existem pessoas que são culpadas desde o momento que nascem, pois tem cara de quem pratica crime”.

“Não importa o que os outros acham, Importa o que você acredita”.

“Eu disse que fiz o que eles disseram o que eu fiz”.  

“É melhor não contestar as acusações, você só ficará 25 anos preso”.

“Ignorar a verdade para apresentar solução fácil não faz parte do Estado de Direito. Isso não é Justiça”.

Diante de uma condenação baseada em falso testemunho: “Mexer em feridas provoca dor em muita gente”

O trabalho da defesa técnica não é agradar pessoas, mas buscar justiça.

“Fora da comunidade, ninguém não tá nem aí”

“Eu sei muito bem o que é ser excluído. Por isso, faço isso”

“Não preciso que as pessoas gostem de mim, perder amigos, ouvir o que não gosta. Apenas, quero fazer o que eu devo fazer. Não quero que meu filho cresça sabendo que a mãe dele deixou de fazer a coisa certa por medo…”

 “A desistência é um único motivo para lamentação”

“O caráter de uma nação se reflete como ela trata os pobres, os desfavorecidos e os condenados.

“A desesperança é inimiga da justiça”

“Não mudamos o mundo apenas com ideias na cabeça, mas com convicção no coração e com esperança”

“O oposto da pobreza não é a riqueza. O posto da pobreza é a justiça“

“Sempre há alguma coisa a fazer”

“Não importa o que você fez, a vida ainda tem um significado”

 PITACOS

“Cães danados devem morrer”. Muitos condenados à execução nos EUA, são defendidos por advogados favoráveis a pena de morte.  

“Eu não tenho como ir contra esses caros” – É possível que pessoas inocentes tenham medo da polícia e do Estado.

“Fui condenado a 70 anos de prisão, meu advogado não falou nada”. Existem advogados e defensores públicos que nada fazem pelo réu.

Quando o interesse em “colaborar com a justiça” e “testemunhar” depende da parte ou do resultado do processo, há interesse e colaboração, mas não é com a justiça. A justiça é cega.

Sim, ainda que provoque risos, existem pessoas em que o único objeto é “só ajudar”.

“Eu disse o que eles queriam que eu dissesse, eu só queria sair dali” – Prisões cautelares funcionam como um “gostinho da pena” para que o réu resolva confessar ou delatar. Não basta que exista confissão ou delação. É necessário que ela seja livre e de espontânea vontade.

A estrutura (polícia/sistema judiciário/governo) deveria proteger a todos — fecha propositalmente os olhos para uma parte da população, a esperada angústia gerada pela injustiça se torna insustentável, e assustadoramente atual.

Não espere que a verdade seja contada ou encontrada em processos judiciais. O que existem? Versões, histórias.

A consequência de uma prisão não se limita ao tempo em que ela dura. As consequências sociais, psíquicas e físicas são imensuráveis. Por isso, há necessidade de tanta cautela prisões, sobretudo quando cautelares, pois nestas o risco de absolvição ainda existe.

Nem sempre o Estado tem a oportunidade de rever seus direitos.

A taxa de erro nas condenações somente dos crimes que levam à pena de morte (crimes que chamam mais atenção e maior cautela na condenação) supera 11%. Qual seria a taxa de erros condenatórios no Brasil? Aqui não temos estrutura para a polícia investigar, não tempos estrutura para a acusação, o sistema judicial está abarrotado e a defesa técnica é privilégio de alguns. Nem metade da população tem acesso á Defensoria Pública, a qual, ainda caminha para o acesso igualitário. Diferente dos outros países (até mesmo da América Latina, não estou comprando com EUA, Canadá e Europa). não há um dispositivo no ordenamento jurídico brasileiro que autorize a investigação criminal defensiva.

REFLEXÕES

A impossibilidade da confissão como prova suficiente para condenações elimina o sistema inquisitorial. Neste sistema, a confissão protagoniza o processo. A realidade brasileira tem a confissão como algo quase insubstituível na maioria das condenações. De fato, nosso sistema é inquisitivo ou acusatório, quando em sua essência o confessor é um personagem quase insubstituível?

Qual a preocupação deve ser feita pela acusação? Observar as regras do processo?  Ou encontrar um culpado a qualquer custo?

É democrática uma sociedade que celebra mais condenações do que justiça? Há humanidade quando a correção do processo é julgada pelo seu resultado e não se houve observação das regras?

Sim! É corriqueiro que o réu, no dia da sua audiência, como em qualquer outro, sequer tenha tido qualquer alimentação, tenha dormido direito. Pessoas mal alimentadas, cansadas e famintas pensam racionalmente? Possuem grau mínimo de cognição para responder perguntas? A escrita do termo, a gravação do vídeo leva em conta isso? Ou interessa mais o que ele disse?

Quem é o povo? Quem é a sociedade? Garantir os direitos do acusado a um processo penal justo é também defender o povo e a sociedade?

Você viu onde estão sentados a Defesa e a Acusação? Tem alguém sentadinho ao lado do juiz?

O que governa nossas opiniões e decisões? O medo? A ira? Ou o Estado de Direito?

Diante de tantas inclusões, duvidas e pensamentos interrogativos, não percamos a esperança.

“A esperança é que nos faz avançar, mesmo quando a verdade é distorcida pelos poderosos, é o que nos permite levantar quando nos mandam sentar, que nos faz falar quando querem que nos calemos”..

PARA TERMINAR, NUNCA ESQUEÇA:

Você significa muito mais para as pessoas que te rodeiam do que você imagina!”

Todos nós, mais cedo ou mais tarde, precisaremos de justiça, misericórdia e da graça imerecida.

Seu sonho já tomou banho hoje?

As metas fluem muito melhor quando transformamos a obrigação, o trabalho em desejo e prazer.

Como produzir essa mudança? Essa metamorfose só acontece quando há motivação.

Daqui, preciso ser claro contigo: Empolgação é diferente de motivação.

Quando estamos empolgamos, especialmente aqueles que possuem um temperamento sanguíneo, “sai da frente”, pois todo mundo fica sabendo e acontece aquele barulho. Porém, passados alguns dias, tudo se vai.

A motivação não é ter vontade de realizar. Naaao, isso é um desejo, apenas um desejo. A motivação é aquilo que faz você perseverar na dificuldade da jornada. Você já parou pra pensar nas razões que levaram s você deixar de fazer algo? O que tem levado a desistência. Isso precisa ficar claro, caso contrário, os projetos sempre ficarão inacabados.

Não se sinta triste se no meio do caminho, a vontade diminuir, isso faz parte, principalmente quando vivemos um período tão insultado como o atual (quarentena COVID-19). No entanto, compreenda que a motivação nada mais é do que a preparação para enfrentar momentos difíceis.

A desistência nos faz olhar para o problema. A motivação nos faz focar na SOLUÇÃO.

E como se motivar? Fazendo todos os dias, sim, todos os dias. A motivação é o banho dos nossos sonhos

Você sabe a importância do banho no cotidiano. Além da higiene, o banho desperta, produz disposição, acelera e o dia começa.

Assim são nossos sonhos, precisam ser “acordados” todos os dias para que as tarefas e metas virem um hábito e não precisemos mais nos obrigar. Fica tão natural que temos desejo e prazer em lutar pelo que almejamos.

As coisas sempre parecem mais difíceis quando estamos cheios de preguiça, desanimados. Mas quando você dá a partida e apenas começa a se mexer, percebe que as coisas se tornam mais simples.

Chegou a hora de você “acordar” o seu sonho. O banho de ontem já perdeu sua importância, pois ele só tem efeito se for diário. O que você é eu fizemos ontem, não vale para hoje. É hora do seu sonho “ser acordado” para um novo dia.

Enquanto muitos pensam se vão fazer, você só precisa começar, só precisa de um “banho” para começar. E banho, só tem efeito se for diário.

É hora da banho nos sonhos, desperte e comece! O banho de ontem não vale mais: isso é motivação. Vamos lá!

Cuidado com a mente de macaco

27/ abril / 2020 Deixe um comentário


“Assim como um macaco que balança entre as árvores agarra um galho e o deixa ir apenas para agarrar o próximo, também o que é chamado de pensamento surge e desaparece continuamente dia e noite”.

A mente de macaco é um termo budista que significa inquieto, confuso, incontrolável. Trata-se de um problema para a concentração, muitas vezes, uma manifestação da fuga da ansiedade. 

Concentração é a capacidade de manter o foco da atenção em uma determinada tarefa por um tempo mais prolongado, com o mesmo padrão de consistência, ou seja, é relativo tanto à quantidade quanto à qualidade do tempo que você dedica a uma atividade.

SE LIGA! Concentração é diferente de focoFoco é a atenção seletiva, é escolher um determinado ponto, Concentração é manter a escolha.

Muitos decidem que parte da sua rotina matinal será ler durante 20 minutos todas as manhãs. Aí, acontece de antes de começar a ler, uma espiadinha no WhatsApp e no instagram. Nessas redes, aparece um link para uma matéria, quando estamos lendo a matéria clicamos no link de um vídeo, aí depois clicamos em outro, e assim vai, acabamos perdendo o foco, e quando percebemos já passaram os 20 minutos e não lemos nada. 

Rotina é estabelecer o que fazer, onde fazer, por quanto tempo fazer. Se for estudo, deve ter claro o que vai estudar, onde vai estudar (se possível, no mesmo lugar e posição) e o período. Já percebeu que os capítulos das séries, novelas e os filmes tem sempre uma duração muito próxima. Esses caras estudam a mente uma humana. Sabem o mínimo de tempo para alcançar atenção e que depois de um tempo, o cérebro cansa. Por que queremos estudar ou ter atividades com períodos alternados? Como vamos condicionar o cérebro? Rotina é tem atividade clara, local certo e tempo determinado. 

A tentativa de criar uma rotina não pode se tornar um emaranhado de atividades improdutivas, tudo por conta da mente inquieta de macaco que ficou pulando de uma coisa para outra. Para treinar a concentração, um bom começo é organizar e estabelecer rotinas, regras e limites. Mas, lembre-se: A organização externa reflete diretamente em uma maior organização interna. 

Quer mesmo evitar a “mente de macaco”? Diga a si mesmo o que você está fazendo e qual é o seu objetivo naquele momento. Este é o primeiro passo para você conseguir fazer o planejado.

Em segundo lugar, acredite: O silêncio é importante. E sabe quando percebemos que ele é importante? Quando surge o barulho. Porém, nesse momento, a concentração já foi. Se puder, estude de porta fechada. Esta é minha postura. É um sinal para o meu cérebro que ele dará 100% da atenção para os estudos. Sabe de onde tirei essa ideia? Da Bíblia Sagrada. Jesus ensinou que antes de fazermos uma oração (algo que lembra concentração, reflexão, necessidades semelhantes do estudo e do trabalho intelectual), fazermos silêncio e fecharmos a porta do quarto (Evangelho de Mateus 6.6). Que dica valiosa!

Por fim, escreva sempre que puder. A escrita exige mais um sentido do corpo e isso envolve mais um mecanismo de atenção. Escrever é uma atividade que fortalece a concentração. Você consegue ver, ouvir duas coisas ao mesmo tempo, mas não consegue escrever pensando em outra coisa. Percebe que até o “ditado” exige maior atenção. Eu sempre falo nas aulas “não copia o slide, presta atenção no que falo, pois se você quiser copiar o slide, a minha voz chata vai atrapalhar, Daí, você não ouve a aula, nem copia”. Escrever é um grande aliado da concentração e inimigo da mente de macaco.

Quer evitar a mente de macaco? Treine seu cérebro, monte sua rotina, valorize o silencio e escreva tudo o que puder.

Torço que essas dicas ajudem sua mente a cumprir tudo o que você planejar da forma mais eficiente.

Um beijo no coração.  Deus te abençõe!